PINGANDO ÓLEO
go4ffaxgq3

Nota do pasteleiro: 4/5

A Garota Dinamarquesa – 2015

O cenário é a Dinamarca, no início do século 20, Einar Wegener (Eddie Redmayne) é considerado um dos pintores de maior prestígio no país. Sempre inserido nos meios culturais da época, possui uma carreira aparentemente sólida. Sua esposa, Gerda Wegener (Alicia Vikander), também pintora mas não com a mesma fama do marido, procura encontrar sua identidade artística, aquela que a faria igualmente influente, porém algo iria modificar completamente o funcionamento desse relacionamento que nos parece tão agradável.

go4ffaxgq3

Após posar para sua esposa vestido em roupas femininas (por falta de modelos para tal trabalho), Einar reencontra uma antiga parcela de si que a muito mantinha apagada em seu interior, a sua parcela verdadeira, Lili Elbe.

Dirigido por Tom Hooper, o drama aborda a história verídica de Lili Elbe, conhecida como a primeira transexual a fazer uma operação genital para mudança de sexo.

Temas como o aprisionamento em um corpo não reconhecido como o seu, a degradação de um relacionamento matrimonial, a confusão, obstinação e preconceito social e científico, são abordados nesse longa e nos fazem enxergar o mundo pelos olhos daqueles que até hoje são incompreendidos dentro de sua condição como transexual.

Quanto a parte tecnica do filme, penso que sua montagem tenha sido bem elaborada, tornando-se fluida e evitando enrolações desnecessárias. Não possui uma trilha sonora marcante, o que é uma pena pois poderia trazer à tona ainda mais dramaticidade.

video-the-danish-girl-uk-trailer-1-superJumbo

Por fim, acredito que os pontos altos de “ A Garota Dinamarquesa” sejam dois: a coragem e a interpretação.

Coragem pois, para abordar essa temática tão necessária de se apresentar, tem um trabalho corporal, uma exibição de nudez dos atores que é fantástica, que não se basta apenas em uma exposição do corpo, mas um reflexo da mente do protagonista, de seus anseios, desejos e medos.

E quanto a interpretação… Sei que muita gente não gosta do trabalho do jovem Eddie Redmayne (não é, Fabio?), mas confesso que fui surpreendido por este. A sutileza que Eddie conseguiu trazer ao papel, o gestual, foi realmente muito bom. Destaque para a cena do Peep Show. Méritos também ao trabalho de Alicia Vikander, que carregou os pesares, angustias e confusões de Gerda com maestria.

5263

Lembrando a vocês que “A Garota Dinamarquesa” está na disputa pelo carequinha de ouro nas seguintes categorias:

Melhor Ator, Melhor Atriz Coadjuvante, Melhor Figurino e Melhor Design de Produção.

 

Postado por: Fábio Campos
Frito em 19 de fevereiro de 2016
0 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *