fritos na hora

Nota do pasteleiro: /5

FRITOS NA HORA – É o fim (2013)

Uma comédia de enredo simples onde os amigos de longa data Seth Rogen (Ligeiramente grávidos, O virgem de 40 anos) e Jay Baruchel (Menina de ouro, Como treinar seu dragão) se encontram em Los Angeles vão para uma animada festa na casa de James Franco lá encontrando diversos convidados especiais como Rihanna, Emma Watson, entre outros em situações hilárias e constrangedoras.

Só um detalhe para uma reviravolta na estória: O apocalipse bíblico começa a se desenrolar fazendo com que todos busquem por sua sobrevivência, e a partir daí, situações absurdas, tensão, drogas e diálogos engraçados (como os de Danny Mcbride e James Franco) se desenrolam até um final inusitado.

Garantia de boas risadas, mas não espere nada espetacular. E tire as crianças da sala. Rs

Escrito por Daniel Guerra

Postado por: Fábio Campos
Frito em 31 de março de 2014
0 comentários
fritos na hora

Nota do pasteleiro: /5

FRITOS NA HORA – Dr. Fantástico (1964)

Uma comédia de humor negro em preto e branco. Foi usando esse gênero cinematográfico que em 1964 Stanley Kubrick criticou e ridicularizou a guerra fria causada pela divisão bipolar do mundo à época.

Contando com a ajuda de um Peter Sellers inspirado (interpretando 3 papéis), a tensão e o jogo político entre URSS x EUA é contada utilizando muita ironia e metáforas visuais. Os diálogos entre os presidentes russo e americano, além do cientista (Von Braun?) que controla o programa nuclear americano são um show à parte e o motivo que levaria à guerra atômica entre os comunistas e capitalistas seria de uma tolice impossível de se concretizar. Ou não.

Dr. Strangelove é o terceiro filme de uma trajetória de êxitos cinematográficos de Kubrick, sendo muito bem recebido pela crítica da época e sendo indicado a 4 Oscars: Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Ator (Peter Sellers) e Melhor Roteiro Adaptado. Também no filme podemos encontrar um jovem ator que futuramente seria conhecido como uma das vozes mais famosas do cinema. Algum chute?

Escrito por Daniel Guerra

Postado por: Fábio Campos
Frito em 28 de março de 2014
0 comentários
fritos na hora

Nota do pasteleiro: /5

FRITOS NA HORA – A menina que roubava livros (2013)

Não li o livro, então não esperem ler aqui uma análise enorme sobre como cortaram aquela cena importante, ou colocaram um ator de olho claro quando era um de olho escuro. No caso dessa resenha só vou falar o que achei do filme.

A menina que roubava livros” conta a história da pequena Liesel Meminger (Sophie Nélisse) que é deixada pela mãe aos cuidados de um casal alemão Hans Hubermann (Geoffrey Rush) e Rosa Hubermann (Emily Watson) durante o início do regime nazista. Durante o sofrimento da 2° Guerra Mundial ela descobre no seu amor aos livros uma forma de sobreviver.

Eu sou fã de filmes com histórias de guerra, você assiste aquilo e imagina como as pessoas conseguiam sobreviver naquela época. É tanto ódio por todos os lados, e bombas explodindo e a cada dia a chance de morrer alguém próximo a você é maior. O filme consegue passar isso, porém, eu acho que ele se arrasta demais. São diversos os momentos em que parece que a trama trava.

Um ponto positivo é a narração em off, com um personagem misterioso contando o que aconteceu. É uma maneira que gostei para dar um tom mais interessante a trama, a revelação final não é surpreendente, pois por vários momentos você pode matar a charada.

Recomendo como uma boa opção para assistir em família é um filme que seguramente daqui um tempo será daqueles que quando passa você quer assistir um trecho ou outro, mas nunca ele todo. Não é fenomenal, mas com certeza não é uma perda de tempo.

Escrito por Fábio Campos

Postado por: Fábio Campos
Frito em 27 de março de 2014
0 comentários
fritos na hora

Nota do pasteleiro: /5

FRITOS NA HORA – West of Memphis (2012)

Um documentário tenso que nos apresenta um dos casos de condenação mais controversos dos EUA. A história começa em West Memphis, uma pequena cidade do estado de Arkansas nos EUA com a misteriosa morte de 3 crianças de 8 anos e os esforços da polícia local para a condenação de 3 jovens locais que teriam supostamente envolvimento com magia negra. Um deles sendo condenado à morte pelo crime onde não havia provas concretas de seu envolvimento, apenas testemunhas com depoimentos controversos e provas forjadas.

O caso passa a ter maior repercussão após a entrada de personalidades importantes como Eddie Vedder (Pearl Jam), Johnny Depp, o renomado diretor Peter Jackson (produtor do documentário), entre outros artistas que ajudam a divulgar o caso, fomentando a discussão sobre se a justiça realmente estava sendo aplicada na situação. West of Memphis é um documentário que instiga a discussão sobre a pena de morte, e a burocracia do estado com suas consequências que geram resultados desastrosos. Também existe uma série de documentários sobre o caso chamada “Paradise Lost” que colabora com um maior entendimento sobre o processo e suas falhas.

Escrito por Daniel Guerra

Postado por: Fábio Campos
Frito em 26 de março de 2014
0 comentários
fritos na hora

Nota do pasteleiro: /5

FRITOS NA HORA – Searching for Sugar Man (2012)

Olá pessoal! Meu nome é Daniel Guerra e a partir de hoje participo do Pastelaria Filmes comentando sobre Música e Cinema.

Sou fã confesso de documentários e sempre encontro um tempinho para dara atenção especial a eles. Ultimamente, o que me chamou atenção foi “Searching for Sugar Man“, ganhador do Oscar de melhor documentário de 2012. Talvez uma das mais comoventes histórias da música, a história do errante Sixto Díaz Rodríguez, apontado à época como um letrista mais ácido e genial que Bob Dylan por retratar de forma nua e crua a realidade das ruas em que vivia. Chegou a gravar dois álbuns de excelente qualidade facilmente encontrados no Youtube.


Desconhecido nos EUA, um ícone da luta social na África do Sul que à época sofria sobre a influência do Apatheid, sendo considerado um artista mais influente e conhecido no país que Elvis Presley e os Rolling Stones . Sixto também teria seu talento reconhecido na Austrália, mas em sua terra natal, permanecia como um completo estranho. O documentário nos apresenta a sequência de encontros e desencontros que tornaram possível a construção de uma lenda, enchendo o bolso de sua gravadora com alguns milhares de dólares que nunca foram repassados a ele.

Sixto nos dias de hoje tem seu talento reconhecido e tem se apresentado em importantes festivais e programas de música como Glastonbury e Jools Holland. Seguem alguns vídeos abaixo para conhecer um pouco do seu trabalho:

Glastonbury


Jools Holland

Escrito por Daniel Guerra

Postado por: Fábio Campos
Frito em 25 de março de 2014
0 comentários
fritos na hora

Nota do pasteleiro: /5

FRITOS NA HORA – Oldboy (2013)

Os Estados Unidos é um dos países que tem a maior antipatia entre as pessoas por sempre se achar dono da razão e agir por diversas vezes como o xerife do mundo. É claro que essa postura é mais forte quando existem negociações comerciais e guerras, porém, no universo do entretenimento isso não passa longe.

Um claro exemplo dessa postura é a mania de querer refazer os filmes de sucesso de outros países com um elenco e um diretor americano. Essa junção acaba produzindo muita mas muita porcaria, e “Oldboy” acabou não fugindo a regra.

Com a direção do sempre pop Spike Lee, o longa baseado no original do coreano Chan-wook Park, perde e muito da versão original. Com uma aposta em estrelas como Josh Brolin, Elizabeth Olsen e Samuel L. Jackson, o filme fraqueja logo no início ao construir um protagonista que pede para que as pessoas o rejeitem com atitudes babaca e sem noção, bem diferente da versão coreano, no qual o protagonista não tem muito da sua personalidade explorada, o que causa um maior empatia com a raiva dele.

O final, assim como na versão original, é ousado e polêmico mas não chega a impressionar. Se apoia numa estrutura muito bobinha e parece que houve uma necessidade de mastigar toda a trama para o público engolir.

Nesse caso prefira ver o original. Os atores orientais não tem o charme nem a beleza dos americanos, mas com certeza trabalham com um roteiro bem melhor construído.

Escrito por Fábio Campos

Postado por: Fábio Campos
Frito em 24 de março de 2014
0 comentários
fritos na hora

Nota do pasteleiro: /5

FRITOS NA HORA – Frozen (2013)

Frozen fez a Disney sair das cinzas com um filme feito para as meninas. A trilha sonora, agora ganhadora do Oscar, acabou virando hit e hoje tem muita menininha cantando “Let it go”, mas será que a animação é boa?

Bem, vou falar na visão de um cara de 30 anos que assiste qualquer filme, então, com certeza estou longe de ser o público alvo do longa. Mas vamos lá.

Primeiro vamos avaliar a história. Nela somos apresentando a princesa Elsa (dublada na versão original pela Idina Menzel) que tem o dom de congelar tudo que toca. Por conta de um acidente ela quase fere fatalmente sua irmã Ana (Kristen Bell) ela resolve viver reclusa e longe de todos, porém, o destino acaba fazendo com que ela tenha que se expor ao mundo.

Eu particularmente achei a trama bobinha, nada de novo. Mesmo o foco na personagem feminina como protagonista não é uma coisa diferente. O clássico plot da princesa amaldiçoada também não é nada original, dito isso devemos ressaltar as coisas boas, como a forma: não caíram na solução fácil de príncipe encantado, e também os trechos musicais que eram bem legais.

Se você tem uma filha ou sobrinha DEVE levar ela para assistir, com certeza ela vai cantar o caminho todo “Let it Go” e vai querer todos os personagens, que se não estão, logo estarão em um McDonald’s mais próximo.

Escrito por Fábio Campos

Postado por: Fábio Campos
Frito em 23 de março de 2014
0 comentários
fritos na hora

Nota do pasteleiro: /5

FRITOS NA HORA – Álbum da Família (2013)

Meryl Streep é uma grande atriz, a Julia Roberts nem tanto, mas quando ela se esforça consegue ser melhorzinha. Em “Álbum de Família” somos convidados a conhecer uma estranha família que é praticamente formada de pessoas ou ingênuas demais ou infelizes.

Carregado em um drama sequencial que parece que nunca vai acabar, o longa se apoia em suas divas para contar sobre uma família cheia de problemas que tem de lidar com a morte do patriarca. Falando assim parece o seriado “Brothers and Sisters”, mas se você espera ver no papel da matriarca uma mulher dócil como a personagem da Sally Field, pode desistir já, a mulher que comanda a família é uma pessoa detestável, brilhantemente interpretada pela Meryl Streep, que parece ter o prazer de humilhar cada uma das suas filhas.

Para mim o maior problema do filme é se apoiar demais nas figuras da Meryl Streeo e Julia Roberts, enquanto os outros personagens parecem ser somente elenco de apoio para o encontro das duas. Eu particularmente adorei o casal Margo Martindale e Chris Cooper, ambos muito bem em seus papeis e com uma interação fabulosa.

Apesar do longa não ser perfeito ele tem uma atmosfera que lembra muito dramas de novelas. Parece que ele foi escrito por um Manoel Carlos ou Walcyr Carrasco da vida, tendo que em cada momento chocar ou surpreender quem está assistindo. O que cria em menos de duas horas de duração diversas cenas extensas ou desgastantes demais.

Escrito por Fábio Campos

Postado por: Fábio Campos
Frito em 21 de março de 2014
0 comentários
fritos na hora

Nota do pasteleiro: /5

FRITOS NA HORA – Alabama Monroe (2012)

Adoro ver os filmes estrangeiros que são indicados ao Oscar, para mim são sempre boas opções para quem quer fugir do lugar comum. Esse ano não foi diferente com “A caça”, que já tinha visto, gostado e até comentado aqui, e “Alabama Monroe” um dos filmes mais tocantes que vi esse ano.

Apostando numa história de amor diferente, o roteiro do filme tem força ao buscar um casal fora dos padrões comuns. Temos Didier (Johan Heldenbergh) um músico de bluegrass cheio de convicções e Elise (Veerle Baetens) uma bela e sonhadora tatuadora. Da relação de ambos nasce uma linda menina, porém, após uma situação dramática o casal se vê forçado a lidar com uma situação muito triste e desoladora que pode destruir o circulo perfeito deles.

Eu devo confessar que “Alabama Monroe” foi um dos meus filmes preferidos até agora. Não tem uma história linear, ele vai e volta a todo momento e permite que você entenda o todo só no final.

O longa também aposta num embate entre a razão e a sensibilidade muito forte, que é muito bem explorado num dos momentos mais belos do filme na cena do dueto dos protagonistas.

Se você está interessando em ver um filme diferente e com uma boa história aposte em “Alabama Monroe” só peço que se prepare para chorar, afinal como qualquer boa trama, a emoção é forte aqui.

Escrito por Fábio Campos

Postado por: Fábio Campos
Frito em 20 de março de 2014
0 comentários
fritos na hora

Nota do pasteleiro: /5

FRITOS NA HORA – Cine Holliúdy (2013)

O cinema nacional as vezes surpreende e apresenta algo diferente. Um dos casos mais notórios de 2013 foi essa divertida comédia que precisa de legenda, mesmo sendo toda falada em português. A razão para isso são as divertidas expressões nordestinas.

O longa que não conta com muitos atores famosos, eu mesmo só reconheci o Falcão (cantor) e o Rainer Cadete, que estava até pouco tempo no ar na novela “Amor a Vida” interpretando o advogado Rafael. De resto era um pessoal mais desconhecido e nem por isso menos talentoso.

A trama é sobre o dono de um cinema apaixonado por filmes de luta que resolve se mudar para uma cidadezinha no interior nordestino que é muito divertida.

Não bastasse o carisma do protagonista interpretado pelo Edmilson Filho, temos também um rico elenco de apoio cheio de personagens divertidos.

Se você quer uma boa opção de comédia nacional fica aqui minha dica, com certeza o filme é bem mais interessante que muitas dessas comédias enlatadas no padrão “Globo” de qualidade.

Escrito por Fábio Campos

Postado por: Fábio Campos
Frito em 18 de março de 2014
0 comentários