fritos na hora

Nota do pasteleiro: /5

FRITOS NA HORA – Marcados para Morrer (2012)

A vida de policia é tão romantizada nos filmes, que às vezes não conhecemos realmente os problemas que eles passam e como é o dia a dia dessa profissão tão arriscada, no Brasil tivemos o excelente “Tropa de Elite” que chegou perto de encarar essa realidade. Eu não tinha assistido até ver “Marcados para morrer” nenhum filme que realmente mostrasse a rotina de um policial americano, e acho que por isso o achei tão interessante e diferente dos filmes policiais que já vi por ai.

O que achei muito diferente no filme foi o tempo que gastaram desenvolvendo os protagonistas, e criando uma atmosfera que gerou empatia com os dois, em certos momentos eu me sentia preocupado com algo de ruim que poderia acontecer, e com as situações que se criavam, parecia que a ideia era dar a impressão de que alguma coisa ia dar errada, mas nunca sabíamos quando de fato aconteceria.

No elenco quem se destaca são os protagonistas Jake Gyllenhaal que parece ter malhado bastante para o papel, e ainda por ter raspado o cabelo deu uma aparência mais intimidadora a seu personagem, e Michael Peña que tem toda aquela áurea de policial latino, que acaba sempre se envolvendo emocionalmente com as situações.

Recomendo o filme para quem quer ver um bom filme policial calcado em um drama interessante e que sabe contar uma história utilizando a proposta dos falsos documentários, vocês sabem aquele tipo que a câmera treme e protagonista fala direto para ela.

Escrito por Fábio Campos

Postado por: Fábio Campos
Frito em 31 de janeiro de 2013
0 comentários
fritos na hora

Nota do pasteleiro: /5

FRITOS NA HORA – Querido Companheiro (2012)

Querido Companheiro” é um daqueles filmes piegas, que você só vai assistir se gostar de cachorros, ou se quiser ver uma trama bobinha e bem água com açúcar, e se for essa sua intenção ao assistir esse filme, com certeza vai sair satisfeito.

A história é sobre o casal Beth e Joseph (Diane Keaton e Kevin Kline), ela é uma dona de casa frustrada porque são filhas estão saindo de casa e ele um médico cirurgião ocupado que não dá tanta atenção à família, a vida dos dois muda, quando durante uma tempestade de neve ela encontra Freeway, um cão de rua, que ela adota e acaba se apegando. A trama se desenrola quando o cachorro some durante um passeio com Joseph e então o casal tem a chance de rever seu relacionamento.

Como eu disse em cima, eu estava querendo ver um filme bem água com açúcar, e minha namorada e eu adoramos cachorros, por isso foi uma junção perfeita assistir a esse romance, a história é leve e divertida com várias cenas de comédia e com personagens cativantes.

Vale destacar o carisma do elenco de apoio, que tem Dianne Wiest e Richard Jenkins como os personagens mais interessantes, e é claro os cachorros que estão presentes de uma forma ou de outra em todo o filme. Recomendo para quem quer ver um filme em família ou mesmo uma comédia romântica mais adocicada.

Escrito por Fábio Campos

Postado por: Fábio Campos
Frito em 30 de janeiro de 2013
0 comentários
fritos na hora

Nota do pasteleiro: /5

FRITOS NA HORA – A parte dos anjos (2012)

Gosto de filmes com histórias simples, mas que sabem conta-las de forma original, sendo absurdo quando pode, crescendo quando deve e sabendo quando parar, talvez por isso tenha achado simpático “A parte dos anjos”.

A história é sobre Robbie (Paul Brannigan) um jovem delinquente que após arrumar uma briga acaba tendo que prestar serviços comunitários, lá ele conhece Harry (John Henshaw) o responsável por cuidar dos delinquentes, logo os dois criam uma amizade e Robbie começa a aprender sobre uísque, e dessa paixão sobre a bebida surge um plano para que ele, sua namorada e seu filho tenham uma chance de ser feliz.

Do jeito que descrevi o filme, parece que uma coisa sentimental, mas ele apesar de ter seus momentos de drama, está mais calcado na comédia, com situações muito interessantes envolvendo Robbie e seus amigos, quando partem para executarem um plano arriscado.

“A parte dos anjos” é uma opção interessante para quem está em busca de uma comédia europeia mais ácida, que conta com um elenco divertido e uma trama muito bem elaborada. E se você adorar beber whisky com certeza irá apreciar mais ainda.

Escrito por Fábio Campos

Postado por: Fábio Campos
Frito em 29 de janeiro de 2013
0 comentários
fritos na hora

Nota do pasteleiro: /5

FRITOS NA HORA – Perigo por Encomenda (2012)

Em 1986 Kevin Bacon protagonizou um filme chamado “Quicksilver – O prazer de ganhar” que contava a história de um executivo que após ser demitido de uma grande companhia, arruma emprego em uma empresa de entregas, a partir daí somos levados a um mundo de pessoas que correm com as bicicletas pelo intenso trânsito de Novo York em busca de entregar mensagens e encomendas, seria uma versão mais ecológica dos nossos motoboys.

Este ano voltaram a tratar dessa curiosa profissão em “Perigo por Encomenda”, estrelado pelo novo queridinho de Hollywood Joseph Gordon-Levitt, na trama ele é Willie (uma parodia com o nome do Coiote do desenho do Papa-Léguas) um obstinado entregador, que adora a emoção de correr pelas ruas e fazer manobras radicas causando em muitos casos acidentes enquanto entrega suas encomendas. Porém um dia ele cai na situação clássica de diversos roteiro “cara comum que se mete em uma fria”, nesse caso ele pega uma encomenda que é do interesse de um policial corrupto (Michael Shannon), e por isso acaba durante todo o longa perseguido pelo mau caráter e ainda enfrentando outros obstáculos.

Apesar de a trama ser meio batida, eu gostei do filme, ele é curto, tem uma boa história, eu gostei muito do efeito que mostra a visão da pessoa na bicicleta dos trajetos que pode fazer.

O longa também não deixa aquela sensação de tempo perdido, além disso, o elenco é muito bom, eu achei convincente a atuação do Joseph Gordon-Levitt e sou fã do Michael Shannon o futuro general Zod. Fica a dica para quem está em busca de um filme de ação interessante e rápido que vale a pena.

Escrito por Fábio Campos

Postado por: Fábio Campos
Frito em 28 de janeiro de 2013
0 comentários
fritos na hora

Nota do pasteleiro: /5

FRITOS NA HORA – Battleship – A Batalha dos Mares (2012)

Em 1996 eu tinha treze anos, e em meio a espinhas e as desilusões da adolescência fui ao cinema pirar com os efeitos especiais de um filme chamado “Independency Day” eu lembro que fiquei semanas lembrando o filme comentando com os amigos como ele era foda e tal e tal. Uns anos depois resolvi ver novamente, e qual foi a minha surpresa ao descobrir que era uma porcaria? Sério mesmo vírus de computador criado na Terra que derrota alienígenas, cachorros pulando no meio do fogo e presidente dos Estados Unidos pilotando caças, é demais para mim.

Só comentei tudo isso para poder explicar o porquê de Battleship – A Batalha dos Mares ser um filme fora do tempo, o ponto alto de invasões alienígenas foi em 1996, essa ideia de americanos salvando o mundo, com um soldado revoltadinho fazendo a diferença é batida, e muito. Ele com certeza ia fazer filas se fosse lançado há dezesseis anos, hoje ele é mais do mesmo e por sinal muito mal feito.

A história de invasão por água não acrescenta nada, os mesmo clichês estão ali, o soldado que se sacrifica, os dois inimigos que viram amigos, e ainda quiseram botar o momento homenagem com soldados que se feriram na guerra e veteranos, atitude digna, mas que funcionaria melhor se o filme tivesse um roteiro.

O coitado de toda essa história é mesmo o Taylor Kitsch que de aposta dos estúdios virou protagonista desta bomba e de John Carter, dois filmes que só tem efeito especial e nada de história. Não bastasse isso ainda temos a Rihanna atuando, que se não me lesse na sinopse nem ia saber que estava ali. Bem mesmo fez o Liam Neeson que aparece dez minutos e depois some, para retornar nos cinco minutos finais.

No final o filme é daqueles que vale para crianças até 13 anos, e daí para cima ele não agrada mais ninguém, com certeza a criançada que vibrou vendo no cinema daqui alguns anos vai ver que o longa não era nada disso.

Escrito por Fábio Campos

Postado por: Fábio Campos
Frito em 27 de janeiro de 2013
0 comentários
fritos na hora

Nota do pasteleiro: /5

FRITOS NA HORA – Xingu (2012)

Devo admitir com um pouco de vergonha que não conhecia a história dos irmãos Villas-Bôas, e a importância que eles tiveram para os direitos dos índios, mesmo sobre o Parque não conhecia muito, tendo ouvido falar sobre um confronto ou outro na região, então só por isso o filme já se tornou bom para mim. Afinal quando podemos dizer nos dias atuais que de fato assistimos algo que contribuiu para nossa educação?

A sinopse do filme como eu disse acima apresenta a história de Leonardo, Cláudio e Orlando Villas-Bôas, interpretados por Caio Blat, João Miguel e Felipe Camargo, que se alistam em uma expedição para desbravar o Brasil, durante o trajeto eles conhecem os índios e logo conseguem fazer diplomacia com os povos indígenas da região, e assim se tornam uma espécie de representantes dos índios entre o povo branco.

A história é muito interessante, especialmente por não querer endeusar os três, a todo o momento podemos ver sinais da imprudência de Leonardo, da paixão exacerbada de Cláudio, e da prepotência de Orlando, e tudo isso com atuações brilhantes dos atores.

Eu ouso dizer que o filme brasileiro mais interessante que vi esse ano foi “Xingu”, ganhou e muito do “Palhaço”. Se você gosta de história ou mesmo quer conhecer um pouco mais sobre o Brasil tem que dar uma chance para esse filme. E ainda aproveito para elogiar a Rede Globo, que passou o filme em formato de minissérie na programação de final de ano, uma bela atitude.

Escrito por Fábio Campos

Postado por: Fábio Campos
Frito em 26 de janeiro de 2013
0 comentários
fritos na hora

Nota do pasteleiro: /5

FRITOS NA HORA – Colombiana (2011)

Mulheres já não são o sexo frágil no cinema faz tempo, hoje em dia são diversos os filmes que ela lutam, chutam, tomam porrada e revidam na mesma força. Colombiana vem nessa onda apresentando uma personagem que desde pequena é simplesmente “foda”, afinal quem tão novo é capaz de escapar de uma gangue de mafiosos, fugir do país e depois do FBI.

O longa tem a receita básica das tramas de vingança Cataleya (Zoe Saldana) vê o assassinato dos pais ainda quando criança, e com muita habilidade consegue fugir para os Estados Unidos, lá encontra seu tio, que a ensina a ser uma assassina, dai para frente ela busca de todas as formas se vingar.

O filme não tem um roteiro muito bom, ele é bem básico mesmo, as atuações também não são aquele esplendor, e tem situações que são bem forçadas, e para você poder desfrutar tem que comprar a ideia que a protagonista é uma Xena dos tempos atuais, se conseguir fazer isso vai gostar do longa.

Escrito por Fábio Campos

Postado por: Fábio Campos
Frito em 25 de janeiro de 2013
0 comentários
fritos na hora

Nota do pasteleiro: /5

FRITOS NA HORA – Vizinhos Imediatos de 3° grau (2012)

Quando uma trupe de comediantes resolve fazer um filme juntos acho que eles pensam que estão fazendo uma versão de “Mercenários” da comédia, já tive essa sensação com “Gente Grande” aquele material radioativo que Adam Sandler produziu, e novamente aqui.

Em Vizinhos Imediatos de 3° grau, um grupo formado por quatro moradores de uma vizinhança resolve formar uma patrulha de vigilância da vizinhança, liderados pelo certinho Evan (Ben Stiller), eles acabam se deparando com uma invasão alienígena em sua pequena cidade.

Não bastasse o filme ter uma historinha meia boca dessas, ainda temos que aguentar um Vince Vaughn sendo o mais canastrão possível e pensar que ele já interpretou o Norman Bates, e o Jonah Hill que parece que depois que emagreceu além de estranho perdeu toda a graça. A comédia só tem uma ou duas cenas que valem a pena para dar umas risadinhas, de resto é mais do mesmo com um elenco de atores que eram engraçados.

Escrito por Fábio Campos

Postado por: Fábio Campos
Frito em 24 de janeiro de 2013
0 comentários
pingando óleo

Nota do pasteleiro: /5

PINGANDO ÓLEO – As palavras (2012)

Todo mundo conhece aquele poeta de bar, que não manja nada do que está falando, mas tenta parecer todo pomposo, reunindo palavras bonitas e fazendo rimas elaboradas para impressionar os outros. Em “As palavras” me parece que tentaram o mesmo, afinal durante todo o filme, se cria uma áurea de que uma grande história vai surgir, e para isso criam situações e recursos que deixam uma atmosfera de entusiasmo, e aos poucos vamos caindo em um mar de verborragia chata, e quadrada, que mostra dilemas morais e conflitos de relacionamento.

O longa é contado em duas frentes, uma que apresenta o escritor Clay Hammond (Dennis Quaid) lendo para uma plateia seu novo romance e sua interação com uma bela jovem (Olivia Wilde) e a outra que mostra a trama que o escritor está lendo nesse caso o casal Rory e Dora (Bradley Cooper e Zoe Saldana).

Quem está esperando uma história de amor, vai ter de buscar muito para encontrar, quem busca um filmão vai ter que virar a cabeça e voltar o filme para formar uma opinião. No final para mim é apenas mais um filme comum supervalorizado por uma história pomposa com um roteiro raso.

Escrito por Fábio Campos

Postado por: Fábio Campos
Frito em 23 de janeiro de 2013
0 comentários
fritos na hora

Nota do pasteleiro: /5

FRITOS NA HORA – Piratas Pirados (2012)

Não sou muito fã de animações estilo stop motion, como as utilizadas aqui, preconceito tolo o meu, mas que atrapalha quando eu vou assistir a um filme, pois fica me incomodando, em “Piratas Pirados” não foi diferente, a trama é bem morninha, cheia de clichês sobre amizade e lealdade, coisas que você já deve ter visto antes.

Na história o Capitão Pirata (dublado por Hugh Grant) está frustrado por nunca ser reconhecido como um grande pirata, buscando uma solução para isso, ele começa a saquear vários navios, tendo resultados cada vez mais bizarros em cada saque, porém em um deles ele acaba conhecendo Charles Darwin (David Tennant) que descobre que o capitão tem como animal de estimação o último Dodô vivo, a partir daí começam a acontecer mais em mais loucuras.

Não achei de todo ruim à animação, é bem feitinha, e apesar das minhas reservas ela consegue agradar, a maior falha fica por conta do roteiro, que brinca com figuras históricas, mas fica sempre protegido atrás de tramas rasas que já vimos em outros filmes, no final fica a certeza que a intenção de Piratas Pirados era ser mais um clichê embrulhado e pronto para as criancinhas.

Escrito por Fábio Campos

Postado por: Fábio Campos
Frito em 22 de janeiro de 2013
0 comentários