fritos na hora

Nota do pasteleiro: /5

FRITOS NA HORA – A Lista: Você está livre hoje?

A Lista: Você está livre hoje?” tem um dos títulos mais bizarros do cinema. Quando fui assistir me confundi muitas vezes com o nome.

A história é sobre um contador chamado Jonathan McQuarry (Ewan McGregor) que faz amizade com um advogado chamado Wyatt Bose (Hugh Jackman). Os dois logo se tornam amigos inseparáveis e num acaso acabam trocando de telefone é a brecha para que o nerd Jonathan entre no mundo de Wyatt, que faz parte de um grupo exclusivo de pessoas que fazem sexo casual. Logo as coisas começam a se tornar mais sombrias.

Achei a história em si meio irreal num mundo de tecnologia em que a intenet está tão presente. Hoje, o que mais se encontra são sites de relacioanamentos que preservam a identidade dos usuários e facilitam essa relação casual, esse é um ponto. O outro é que a trama em algum momento se perde, e tenta se transformar numa especie de “O Talentoso Ripley“.

Um dos pontos fortes do filme é ver Hugh Jackman como um vilão, afinal ele sempre faz o papel de mocinho no filme. Já McGregor tem uma atuação mais velada, que em muitos momentos lembra a de “O Escritor Fantasma“.

O saldo final é que não se trata de uma obra que enche os olhos, mas que vale a pena conferir se você está querendo um filme de ação com reviravoltas e estrelado por grandes atores. Fora isso é um filme bem comum, sem nada de genial.

Postado por: Fábio Campos
Frito em 29 de abril de 2011
0 comentários
fritos na hora

Nota do pasteleiro: /5

FRITOS NA HORA – Sobrenatural

Sobrenatural é um ótimo filme de terror e um péssimo de comédia, essa é a melhor forma para descreve-lo. Sua parte terror arrepia e dá medo, em alguns instantes achei que estava vendo uma história que realmente ia me assustar porém, e infelizmente, lá pela metade começa a baboseira.

Primeiro deixa eu explicar o enredo: é sobre uma familia normal americana, formada por Josh (Patrick Wilson), Renai (Rose Byrne) e seus três filhos. A trama engrena após um acidente do filho mais velho, Dalton (Ty Simpkins), que um dia, do nada, entra em coma. Não vou me aprofundar mais na história para não entregar muito da trama.

Ao assitir o filme fiquei, em muitas cenas, bem tenso com aquelas imagens de relance em que fanstasmas aparecem e somem, sempre ao canto do olho, e que nos deixam horrorizados. Segue-se diversas cenas assim durante parte do filme, o que deixa tudo muito arrepiante. Então você me pergunte: onde que o filme se perde? E eu respondo: Na parte dos fantasmas, as maquiagens não são assustadoras, não me deram um pingo de medo e um dos personagens parece o Darth Maul de Star Wars: A ameaça fantasma, eu particularmente perdi o gosto pelo filme na cena em que o personagem de Patrick Wilson esbarra com uma familia morta, muito forçado e sem graça.

Quanto as atuações, meus elogios vão todos para Rose Byrne, que conheço da ótima série Damages, já Patrick Wilson não me desce como ator sério, ele tem um jeito engraçado e sempre acho que parece ator de comédia. Já o menino Ty Simpkins nem atua tanto, ficando parte do tempo só deitado em coma. Destaco ainda a dupla de personagens que servem como alivio cômico, só ali bastava de comédia.

O diretor do filme é James Wan, mais conhecido por “Jogos Mortais” (você pode reparar uma referência ao filme em uma cena que vemos o desenho do boneco do Jigsaw ao fundo em uma lousa).

Recomendo o filme para quem gostou de Atividade Paranormal e filmes trash, mas já adianto: você pode passar medo no filme, mas no final vai é rir muito com as atuações ruins dos fantasmas e o final bem clichezão.

Postado por: Fábio Campos
Frito em
0 comentários
fritos na hora

Nota do pasteleiro: /5

FRITOS NA HORA – Oldboy

Oldboy é um daqueles filmes que eu sempre prometi que veria, mas nunca o fiz. Acho que era um preconceito com os filmes orientais e suas lutas mirabolantes, coisa que sempre me deixou com um pé atrás em relação à história.

A trama é inicialmente simples: um homem, após uma noite de bebedeira, é sequestrado e preso num quarto com cama, banheiro e televisão. Então, durante 15 anos, Dae-su Oh (Min-sik Choi) é mantido preso, até ser, finalmente, libertado e descobrir que não pode encontrar sua filha porque ele é o principal suspeito do assassinato da sua própria esposa, e só pode contar com a ajuda de Mi-do, (Hye-jeong Kang) uma chefe de cozinha, e No Joo-hwan, (Dae-han Ji) seu melhor amigo.

O filme segue a busca de Dae-su Oh por sua vingança contra seu algoz, que aos poucos vai revelando o que o motivou a aprisioná-lo por tanto tempo. O jeito que a história continua lembra um enredo melhorado de Jogos Mortais, no qual todo o foco é na vingança levada ao extremo.

Oldboy, além de uma história que brinca com o irreal, recheada de personagens estranhos e com cenas perturbadoras, tem uma cena de luta que bota as de muitos filmes de ação americanos no chinelo. Outra cena de destaque é a interação de Dae-su Oh com uma lula que ele devora. Achei um vídeo de como foi gravado a cena da lula.

O filme é original em todos os extremos e é duro de falar dele sem contar detalhes da trama, mas recomendo (e muito) para quem gosta de cinema alternativo, cenas de ação e tramas com reviravoltas. Ultimamente o cinema coreano me impressionou com Oldboy e I Saw The Devil, mas me deixou decepcionado com o entediante “Mother“.

Uma curiosidade é que um dos maiores fãs desse filme é Quentin Tarantino.

Postado por: Fábio Campos
Frito em 28 de abril de 2011
0 comentários
BORDA DO PASTEL

Nota do pasteleiro: /5

BORDA DO PASTEL – Rambo Final Alternativo

O primeiro Rambo é um filme das antigas, e muito bom. Poderia ter sido mais um filme bobo de ação, mas resolveram apostar numa história com mais profundidade na qual um ex-combatente surta numa cidade do interior dos EUA e mostra que ainda é uma máquina de matar.

Para quem não sabe, o filme é baseado num livro de David Morrel, que é bem mais profundo e tem um final diferente. Para os padrões do cinema a história seria muito depressiva e não deixaria possibilidade de continuações, pois bem, descobri que na época o pessoal chegou a filmar esse final, e trouxe para vocês:

Ainda para completar, peguei umas cenas deletadas do filme que encontrei:

Quem esqueceu o final original é esse abaixo (perdoem a qualidade mas foi a única que encontrei)

Postado por: Fábio Campos
Frito em
0 comentários
SUCOS DO RODRIGO

Nota do pasteleiro: /5

SUCOS DO RODRIGO – O cara mais legal do rock lança o melhor disco do estilo no ano!

Echos, silence, patience and Grace foi um dos maiores baldes de água fria da história do rock, abre com The Pretender que derruba até parede de concreto e depois vai descendo numa montanha russa sem fim, é pouco, muito pouco para um cara tão genial quanto Dave Grohl.

Como se quisesse voltar às raízes, quando tocava naquele trio famoso de Seatle (Você sabe qual é?), abandonou violões, teclados e afins e se mudou para a garagem e com um trio de guitarras (!!!) começou a trabalhar novamente com afinco em um amontoado de barulho.

Para organizar isso, Boteco Vig., produtor de clássicos dos tempos em que o rock se importava com o restante do mundo e fazia algo relevante, lapidadas algumas pontas de barulho, Wasting light chega chutando a porta com Bride Burning e sem respiro emenda com Rope, ok Grohl entendemos a sua intenção!

É rock, o mais puro rock em sua essência! Como se houvesse uma arvore e Dave fosse até a mesma e retirasse a melhor seiva do bom som!

Arlandria e These days tem um tom meio 70´s que fazem qualquer um cantarolá-las durante uns dias, isso num disco que preza pelo barulho, só ouvir o refrão de Miss Misery!

Agora uma dúvida, depois de todos esses anos, será que a figura de Grohl não se tornou maior (Não quer dizer mais importante) que a de Kurt? Responda ouvindo Wasting light!

Postado por: Fábio Campos
Frito em 27 de abril de 2011
0 comentários
TOP PASTEL

Nota do pasteleiro: /5

TOP PASTEL – Atores Encrenqueiros

O melhor jeito de iniciar esse novo Top 5 é, com certeza, enchendo a cara e arranjando briga por aí, porque hoje é dia de Top 5 Atores Encrenqueiros!

Confesso que quando parei para pensar em quem seriam os agraciados com uma colocação na nossa lista, observei que 5 é um número baixo perto da quantidade de atores e atrizes envolvidos em escandalos, mas como não saberia organizar em uma ordem lógica e gradativa de “tamanha encrenqueirice”, resolvi manter só 5 (me processem).

5º – Christian Bale:

Violência gratuita nos sets, fama de turrão e agressão à própria mãe e irmã. Ele fica na posição mais baixa de minha lista por possuir, acredito, só um temperamente irritadiço demais. Falta muito para ser O encrenqueiro, amigo Bale.

4º – Russell Crowe:

É quase o mesmo caso de Bale: a violência. Porém, Crowe tem agravantes de se aventurar usando um telefone para bater num funcionário de um hotel onde se hospedou. Para ele vai o quarto lugar.

3º – Lindsay Lohan:

Beberrona, viciada e as vezes ladra. É inegável que tenha um lugarzinho na nossa lista. Fica com a terceira posição pela insistencia na auto-destruição.

2º – Robert Downey Jr.:

Apesar de ser um encrenqueiro “curado”, já se envolveu em problemas com a polícia por conta de seu vício em drogas. Para ele vai o segundo lugar… Ok, eu sei, vão me perguntar o motivo pelo qual ele está na frente da Lindsay Lohan se ela, últimamente, tem exagerado mais e blá blá blá? Simples, olhem a cara da bela mocinha, olhem a cara do senhor Robert, de qual deles acreditam ser mais fácil de apanhar? Então, chegamos a uma conclusão.

1º – Charlie Sheen:

Inegável! Orgias, drogas, bebedeiras e vandalismo. Charlie Sheen está no nível mais alto de nossa lista, lugar reservado ao maior de todos os encrenqueiros, aquele te possui o sangue de tigre nas veias (como ele costuma dizer).

O artigo acima foi escrito pelo nosso colaborador Luiz Fernando Pierotti

Postado por: Fábio Campos
Frito em
0 comentários
fritos na hora

Nota do pasteleiro: /5

FRITOS NA HORA – O Ritual

O Exorcista um perfeito filme de terror, pois consegue algo único no gênero, somar medo, boas atuações e excelente direção!

Após o sucesso do projeto, inúmeros semelhantes mexeram com o sobrenatural, mas quase nenhum conseguiu acertar supremacia que o original acertou.

Isso mudou um pouco no lançamento de O Exorcismo de Emily Rose, que tinha muito das qualidades do pioneiro, mas com efeitos especiais mais realistas!

Agora chega as telas O Ritual, estrelado por Anthony Hopkins e a boa (em todos os sentidos) Alice Braga, que mostra a ida de um seminarista para o Vaticano em busca de aprendizado relacionado ao Exorcismo.

Como sempre Hopkins é um caso a parte, ele lidera qualquer filme que participe, suas atuações são aulas sobre o verdadeiro e bom cinema, e por isso o filme se salva!

Não adianta tentar, filmes do gênero são “viciados” e usam muito da escola Friedkin de terror sobrenatural e acabam indo em direção ao erro, maquiagem em excesso, música pesada e fundo vazio funcionaram no Exorcista e talvez por isso, O ritual tem o seu mérito por tentar fugir desses fatores de uma maneira bem simples,trabalhando mais diálogos e atuações.

O que o trailer promete, não é 100% do que veremos nas próximas horas, é algo mais direto sem tanta pompa hollywoodiana!

Assista sem preconceitos e terá um bom filme de terror!

O artigo acima foi escrito pelo Rodrigo Moia

Postado por: Fábio Campos
Frito em 26 de abril de 2011
0 comentários
MODA DA CASA

Nota do pasteleiro: /5

MODA DA CASA – Parte 1 – Filmes com Equipes

Montar uma equipe não é tarefa fácil, quem diga nos filmes. Abaixo selecionei vários filmes trazem esse clichê. Geralmente o elenco é composto por grandes astros, então sem mais, vamos conferir.

FUGINDO DO INFERNO

Um clássico sobre um grupo de prisioneiros que combinam seus talentos para fugir da pior prisão dos nazistas.

Membros da Equipe:

“Big X” Bartlett (Richard Attenborough) – Estrategista

Danny Willinski (Charles Bronson) – Especialista em túneis

Hendley (James Garner) – Ladrão

Hilts (Steve McQueen) – Especialista em fugas

Blythe (Donald Pleasence) – Mestre da Falsificação

Louis Sedgwick “The Manufacturer” (James Coburn) – Especialista em fabricar armas

SETE SAMURAIS

Clássico de Akira Kurosawa, conta a história de um grupo de samurais contratatado para proteger uma aldeia de bandidos. Inspirou os filmes Sete Homens e um Destino e Vida de Inseto

Membros:

Kambei Shimada (Takashi Shimura) – Líder do grupo

Katsushiro Okamoto (Isao Kimura) – Samurai jovem aprendiz de Kambei

Gorobei Katayama (Yoshio Inaba) – Samurai habilidoso em arquearia

Shichiroji (Daisuke Katô)- Samurai, velho amigo de Kambei

Heihachi Hayashida (Minoru Chiaki)- Samurai não muito habilidoso, mas cheio de vontade

Kyūzō (Seiji Miyaguchi)- habilidoso como espadachim

Kikuchiyo (Toshirô Mifune)- Camponês disfarçado de Samurai.

SETE HOMENS E UM DESTINO

A história de John Sturges baseada em Sete Samurais, só que transportada para o Velho Oeste. O filme ainda teve mais duas sequências e um série de televisão.

Membros:

Chris Larabee Adams (Yul Brynner) – Líder do Grupo.

Vin Tanner (Steve McQueen) – Parceiro de Chris.

Bernardo O’Reilly (Charles Bronson) – Bom atirador e caladão do grupo

Lee (Robert Vaughn) – O pistoleiro que ficou covarde

Harry Luck (Brad Dexter) – O ganancioso e desconfiado do grupo

Britt (James Coburn) – Atirador de facas

Chico (Horst Buchholz) – O fazendeiro que queria virar pistoleiro

OS DOZE CONDENADOS

Esse filme de ação com foco na 2º Guerra Mundial, e que lembra muito Bastardos Inglórios, conta a história de um grupo de 12 soldados condenados a morte que, para serem livres, tem que fazer uma última missão.

Joseph T. Wladislaw (Charles Bronson) – Segundo em Comando, odeia respeitar hierarquia. Abaixo destaquei as caracteristicas dos mais relevantes:

Robert T. Jefferson (Jim Brown) – Negro vitima de preconceito por todos que o cercam

Victor Franco (John Cassavetes) – O Agitador do grupo

Pedro Jiminez (Trini Lopez) – O covarde do grupo

Archer J. Maggott (Telly Savalas) – Psicopata religioso que odeia mulheres

Vernon L. Pinkley (Donald Sutherland) – O louco do grupo

Samson Posey (Clint Walker) – Brutamontes do grupo

Milo Vladek (Tom Busby)

Glenn Gilpin (Ben Carruthers)

Roscoe Lever (Stuart Coopee)

Seth K. Sawyer (Colin Maitland)

Tassos R. Bravos (Al Mancini)

Major Reismam (Lee Marvin) – Líder e comandante de todos

O PREDADOR

Um grupo de soldados americanos enfrenta um extraterrestre nas florestas da Guatemala. Um filmaço de Arnold Schwarzenegger.

Major Alan “Dutch” Schaeffer (Arnold Schwarzenegger) – O líder e fodão do grupo

Capitão George Dillon (Carl Weathers) – Segundo em comando e amigo do Dutch

Sargento Michael “Mac” Elliott (Bill Duke) – Parceiro de Blain

Sargento Blain Cooper (Jesse Ventura) – Especialista em Armas

Sargento William “Billy” Sole (Sonny Landham) – Indio especialista em seguir rastros

Sargento Richard Hawkins (Shane Black) – Especialista em comunicação do grupo

Tenente Jorge “Poncho” Ramirez (Richard Chaves) – Rastreador do grupo também e tradutor de Anna

Anna (Elpidia Carrillo) – Guerrilheira presa por eles

ALIEN, O Resgate

Segundo filme da franquia Alien, agora uma equipe de resgate é enviado a um planeta colônia infestado de aliens.

Ellen Ripley (Sigourney Weaver) – Especialista em Aliens

Dwayne Hicks (Michael Biehn) – Líder do Grupo

Carter J. Burke (Paul Reiser) – Representante da Corporação

L. Bishop (Lance Henriksen) – Androide, Médico e Piloto

Soldado W. Hudson (Bill Paxton) – Rebelde do Grupo

Tenente S. Gorman (William Hope) – Tenente covardão

Soldado J. Vasquez (Jenette Goldstein)- Valentona do Grupo

Sargento A. Apone (Al Matthews) – Líder da Equipe de Campo

Soldado M. Drake (Mark Rolston) – Engraçadinho do Grupo

Soldado R. Frost (Ricco Ross)

Soldado D. Spunkmeyer (Daniel Kash)

Cpl. Ferro (Colette Hiller)

RONIN

Um grupo de mercenários é contratado para roubar uma mala que está sendo levado para a França, o filme é cheio de reviravoltas e traições e o final te deixa bem curioso.

Sam (Robert De Niro) – Americano especialista em estratégia e armas

Larry (Skipp Sudduth)-Motorista

Spence (Sean Bean)- Americano especialista em armas

Gregor (Stellan Skarsgard)- Especialista em eletrônicos

Vincent (Jean Reno)- Francês coordenador da equipe

Deirdre (Natascha McElhone)-Contato com o cliente

Postado por: Fábio Campos
Frito em
0 comentários
PASTEL DELIVERY

Nota do pasteleiro: /5

PASTEL DELIVERY – White Collar

Como já foi falado aqui no blog, série policial nos EUA é o que não falta. Sempre há alguma nova oportunidade, um novo enredo para ser abordado. E não poderia ser diferente com ‘White Collar’. Em caminho para uma terceira temporada, a trama gira em torno de Neal Caffrey (Matt Bomer), falsificador de alto calibre, que depois de várias fugas, foi capturado pelo oficial do FBI, Peter Burke (Tim DeKay).

Com pouco tempo para acabar sua sentença de quatro anos, Neal foge em busca de sua namorada de longa data, e então Peter é acionado novamente.

Após uma breve busca, Neal é encontrado, mas dessa vez ele ajuda Peter em um caso e ‘ganha’ um encontro com o FBI na prisão. Lá, o condenado oferece seu vasto conhecimento nos casos de colarinho branco (área de Burke) em troca da liberdade (ficaria com uma tornozeleira eletrônica como controle). Relutante, Peter aceita. E é aí que a série começa.

Durante sua primeira temporada, White Collar tem a trama central focada na relação de confiança entre os novos parceiros, e na busca incessante de Caffrey pela amada,
Kate (Alexandra Daddario). Também são apresentados personagens secundários, muito importantes, como a esposa de Burke, Elizabeth (Tiffani Thiessen) e o fiel amigo de Neal, Mozzie (Willie Garson). Particularmente, são dois personagens que eu amo. Muito bem colocados, eles temperam a série e trazem o humor e a doçura em vários momentos ótimos.

Depois de um cliffhanger em seu Season Finale, White Collar volta na segunda temporada com mais personalidade. Mesmo com vários episódios fillers, é gostoso de ver a amizade entre Neal e Peter crescer, e consequentemente, a confiança do agente no ex-forjador também.

O personagem de Matt Bomer é carismático, inteligente e inovador. Junto com a razão e sensatez de Peter Burke (mesmo que às vezes ele pareça inflexível, até mesmo chato), eles formam uma das melhores duplas da TV atual.

Enfim, com muito humor, casos interessantes e também gente bonita, White Collar é uma série que vale a pena ser assistida. Ela é diferente, e não só mais uma série policial. Ria muito com Mozzie, se derreta por Elizabeth e fique bravo com as teimosias de Peter. Eu recomendo.

O artigo acima foi escrito pela Marina Moia

Postado por: Fábio Campos
Frito em 25 de abril de 2011
0 comentários
SUCOS DO RODRIGO

Nota do pasteleiro: /5

SUCOS DO RODRIGO – Três motivos para acreditar no que o Rock pode oferecer!

Abrir para o U2 deve ser uma das tarefas mais ingratas da face da terra!

Imagina quando você irá abrir em um país muito distante do seu, aonde os veteranos são tratados como reis? Azar do Muse, né ? Isso sem falar que todas as passagens dos irlandeses pelo Brasil foram clássicas!

Pena de quem apostou no insucesso do trio, os caras viram com sangue nos dentes, prontos para conquistar tudo e todos, como se aqueles três shows fossem os últimos da carreira!

Tempo estimado?50 minutos!Público? 90 mil fãs doentes para ver a banda headliner!
E dá lhe abrir com Plug in baby para mostrar os dentes para o “inimigo”, mostrando que o repertório deles não se faz somente de músicas antigas vem The Resistance.

Time is running out foi a música para socar o ar, e alguns poucos fãs do Muse cantam e pulam e se fazem presentes, ai quem não curtia ou conhecia o trio se rendeu.

Feeling good mostrou que o Muse vai além das guitarras, nessa hora uma mulher ao meu lado disse:

-Quem são esses três?Eles são bons demais!

Uprising e Starlight foram entoadas pelo pequeno grupo de fanáticos, pouca diferença fez nessa hora o Muse já era dono do terreno!

Para entregar ao U2 o palco em alto estilo, Stockholm Syndrome e a fabulosa Knights of Cydonia, posso arriscar dizer que só essas duas músicas já significam o melhor que o Rock inglês produziu nos últimos anos, e ao vivo elas ganham um “corpo” que fez todos os fãs aplaudirem e reconhecerem o esforço do Muse!

Com esse show é possível afirmar, o rock que pensa, critica, age e faz barulho e que merece o titulo de segunda melhor banda do mundo é do Muse, o grande azarão do rock atual!

Advinha de quem é o primeiro lugar?

Postado por: Fábio Campos
Frito em
0 comentários